Páginas

sábado, 18 de outubro de 2008

Sala de aula na nuvem

Computação na nuvem ou cloud computing é a buzzword (alarido em torno de uma nova palavra ou expressão) do momento. Não é um conceito novo, mas vem ganhando força com o crescimento da Google e seu interesse explícito nessa área. É um modelo onde as aplicações e dados residem em servidores e são acessados via web. Exemplos disso são os pacotes de escritórios (editores de texto ou planilhas) online disponibilizados pela Google e Zoho. Não vou discutir aqui sobre o futuro disso. Se é factível ou não, se é seguro ou não, e vai por ai. Meu foco é outro. A educação dita formal. Atualmente as pessoas vivem em permanente corrida, com o pé pisando fundo no acelerador. No entanto o dia continua tendo 24 horas. Estamos tentando fazer cada vez mais no mesmo período de tempo. Costumo dizer que tudo evolui, a tecnologia nos envolve, ou melhor, nos engole, mas o tempo permanece obsoleto. O dia sempre vai ter 24 horas. Ninguém, após a adolescência, tem tempo para ficar 4 horas diárias sentado em uma sala de aula na terra, nem mesmo o professor, que nem sempre é apenas professor. A solução é a sala de aula na nuvem. Não apenas as ferramentas que possibilitem isso, mas principalmente a legislação que regula o ensino à distância devem evoluir para se adequar à uma realidade incontestável. Vocês podem argumentar: "Mas isso já existe". Sim, mas as exigências para que funcionem nos remetem sempre de volta à sala de aula na terra. Em um curso de graduação ou especialização são exigidos alguns encontros presenciais, principalmente para realizar a jurássica prova. Programas de mestrado e doutorado? Apenas na sala de aula na terra. Por que? Já ouvi alguém argumentar que à distância se perde a interação com os outros pesquisadores, com o orientador, fundamental para o desenvolvimento da pesquisa. Eu nem vou comentar isso. Entendo que o Ministério da Educação se preocupa com a qualidade, e tem que se preocupar mesmo. As instituições de ensino também devem ter essa preocupação em mente. Muitos querem aprender, poucos tem tempo e espaço disponíveis. A educação informal está avançando muito mais rapidamente. A discussão está aberta.

Nenhum comentário:

 
Creative Commons License
This work by Carlos Alberto P. Araújo is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Brasil License.