Páginas

sábado, 13 de setembro de 2008

Minha paixão pela computação - II

Depois de terminada "Introdução à Computação", bastante motivado, matriculei-me em "Estruturas da Informação". O conteúdo dessa disciplina é o mesmo de Estruturas de Dados I: listas, filas, pilhas, etc. Foi um desastre. Não consegui acompanhar e abandonei na metade do semestre. Minha única reprovação na graduação. Inesquecível e frustrante. Alguns semestres depois, chegou na universidade um novo brinquedinho, o DECSystem/10 da Digital. O DEC-10, como era comumente chamado, tinha 256k palavras de 36 bits de memória e também era chamado PDP-10. Leia mais sobre ele em http://en.wikipedia.org/wiki/PDP-10. Que avanço! Terminais de vídeo nos setores administrativos, na pesquisa, no Departamento de Engenharia Elétrica (DEE), em suma: uma maravilha. O curso de Tecnologia em Processamento de Dados ofereceu então um curso de extensão de férias sobre a nova versão do FORTRAN que rodava no DEC-10. O DEC10 rodava FORTRAN IV e V, COBOL, LISP, PROLOG, ALGOL, entre outras linguagens ilustres desconhecidas. A parte prática do curso ainda acontecia da mesma forma que se procedia no IBM 1130. Ainda era necessário produzir cartões perfurados para o código, mas, pasmem, o resultado do programa saía em duas horas. O curso de extensão me abriu a mente para a programção e eu pude, enfim, cursar com tranquilidade "Estruturas da Informação" e "Técnicas de Programação", as outras das três únicas disciplinas ligadas à computação do curso de Engenharia Elétrica. Eu ainda não sabia, mas já eu já havia contraído o vírus que iria se manifestar anos mais tarde.
No DEE, nesse período, estava sendo construído, como produto de trabalhos de conclusão de curso (TCC), um microcomputador baseado no microprocessador 8080 da Intel. O 8080 era um processador de 8 bits, precursor do 8088, que originou o IBM-PC, ancestral dos atuais Core 2 Duo, Dual Core, etc. Esse microcomputador já estava funcionando, sendo operado através de um painel de chaves. Veja uma imagem desse painel aqui. Podia apenas ser programado em binário. Cada instrução assembly deveria ser convertida para binário e introduzida na memória através das chaves. Cada chave ligada correspondia ao bit 1 e desligada ao bit 0. O resultado do programa era mostrado através de um conjunto de LEDs (Diodo Emissor de Luz). Tudo muito simples e prático. Um bit errado e se começava tudo de novo. Coisa de paixão mesmo. Algo bem primitivo, mas um laboratório fantástico.
Veio então o meu maior desafio na graduação: construir um programa em assembly que permitisse a carga de programas através de um teclado e que o reultado fosse mostrado em um monitor de vídeo. As instruções do programa a ser carregado estariam em hexadecimal. Convenhamos, um pouco melhor que binário. Esse foi o meu TCC. O trabalho foi feito. Relendo-o agora eu penso que seu fosse o meu orientador eu não iria para a defesa. No entanto não tive a chance de testar o programa. O terminal de vídeo que deveria ser utilizado não chegou a tempo para a realização dos testes antes da defesa. Para alívio meu. Não sei até hoje se a coisa funcionou. Meu TCC foi todo produzido usando uma máquina de escrever manual e as figuras desenhadas à mão usando uma caneta preta e régua. Quanta mão de obra.
Enfim, em Dezembro de 1980 encerrei o curso de Engenharia Elétrica e voltei para Santarém. Mas essa parte eu começo a contar em um outro dia.

Nenhum comentário:

 
Creative Commons License
This work by Carlos Alberto P. Araújo is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Brasil License.