Páginas

sábado, 6 de setembro de 2008

Minha paixão pela computação - I

No ano de 1976 entrei para o curso de Engenharia Elétrica - Opção Eletrônica na UFPa. Logo nos primeiros semestres fiz minha matrícula numa disciplina chamada "Introdução à Ciência da Computação". Após a tradicional introdução que conta a história do computador, passando pela numeração binária, iniciamos o estudo de algoritmos e fluxogramas. Veio então meu primeiro programa, na linguagem FORTRAN versão Monitor, muito usada no meio científico naquela época. O professor então nos instruiu como deveríamos proceder para, após criarmos o código do programa, testá-lo no computador da universidade. Hoje, nas aulas de laboratório do curso de Sistemas de Informação do CEULS, temos dois alunos por máquina, às vezes até um por máquina. Nem em meus sonhos mais otimistas conseguia imaginar isso. O fato é que tínhamos que compartilhar um único computador para todas as atividades da instituição. Era um IBM 1130. Esse computador tinha 16K palavras de 16 bits de memória e cada unidade de disco atingia a capacidade de 512k palavras. Algumas imagens dessa maravilha podem ser vistas em http://palazzo.pro.br/hist/ibm_1130.htm. Para testar um programa precisávamos digitar o código em uma máquina chamada perfuradora de cartões. Cada linha de código tinha no máximo 80 caracteres e era inserida em um cartão. Nesse cartão cada caractere inserido correspondia a uma seqüência de furos. Algum tempo na fila da perfuradora e vários cartões estragados depois, juntávamos aquele monte de cartões, chamado deck, e entregávamos a um atendente que protocolava. Dois dias depois de uma espera angustiante recebíamos o resultado: nosso deck de cartões e uma listagem do nosso código. Se tivesse funcionado, o resultado saia na própria listagem. Monitor de vídeo? LCD? O que é isso? E se não funcionasse? Bem, analisávamos a listagem conferindo sintaxe, ordem dos cartões (alguém esbarrou e cairam todos no chão!!!), lógica, etc. Mais algum tempo na fila da perfuradora, cartões inutilizados e nosso deck estava pronto para um novo teste. O ciclo se repetia até que tudo estivesse rodando perfeitamente. Essa história prossegue outro dia.

Nenhum comentário:

 
Creative Commons License
This work by Carlos Alberto P. Araújo is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Brasil License.