Páginas

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Aprendendo a ler em Inglês

Segundo o professor Rubens Queiroz de Almeida, não é muito difícil aprender a ler textos em inglês e não é necessário despender muito tempo para isso. Ele afirma que de 20 a 25% de um texto é composto de cognatos. Cognatos são aquelas palavras com grafia semelhante, tais como professional e certification. Além disso, Rubens também diz que as 250 palavras mais comuns do idioma inglês responde por aproximadamente 60% de um texto. Como os cognatos não estão entre as 250 palavras mais comuns, se conhecermos o significado dessas 250 palavras, seremos capazes de ler de 80 a 85% do texto. Mas, e os 20% restantes? Bem, pode-se usar a intuição. Ou podemos tentar deduzir o significado de uma palavra que faz parte desses 20%. Quando você lê um texto em português você recorre ao dicionário sempre que não sabe o significado de uma palavra? Bem, então mãos à obra. Se você aprender três palavras das 250 mais comuns, a cada dia, em menos de três meses você estará lendo com mais fluência. Neste link você irá encontrar a relação das 1.000 palavras mais comuns da lingua inglesa de acordo com um estudo de Rubens Queiroz.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Conhecimento especializado ou amplo?

Este texto foi inspirado em uma frase de um acadêmico: "Tirar do curso algumas disciplinas abobrinhas e substituir por...".
É certo que todos frequentam a escola para obter uma formação profissional. À medida que se vai avançando nos estudos, ocorre também um afunilamento no conhecimento, uma especialização. Durante o ensino fundamental e médio, o estudo é mais genérico. Estudam-se português, matemática, história, geografia, etc. Na graduação estudam-se disciplinas específicas do curso escolhido e mais algumas consideradas fundamentais (as "abobrinhas") para o complemento do aprendizado. E vou tentar justificar meu argumento do "porque" das disciplinas "abobrinhas". Para nosso sucesso profissional, é fato a importância de estabelecermos uma rede de relacionamentos, que os especialistas gostam de chamar de "network". Eu creio que até é possível estabelecer uma boa carreira relacionando-se apenas com pessoas que sabem tudo de computação, mas vou supor o seguinte cenário: Você é convidado para uma festa de casamento, por exemplo. Nesta festa você é apresentado a um médico, a um engenheiro civil e a um historiador. Se você se preocupou apenas em estudar computação, relegando a último plano as disciplinas complementares, como você conseguirá estabelecer um diálogo com essas pessoas? Penso que você deve ter um conhecimento mínimo acerca de determinados assuntos para que possa se relacionar. Todo conhecimento é importante. Você será muito melhor aceito em um grupo se conseguir dialogar de forma heterogênea. Será considerado um "bom papo". Acredite, isso abrirá muitas portas. Se você só consegue falar sobre computadores, chats, blogs, etc. é bem provável que seja chamado de "chato". Pense nisso, invista mais tempo no seu futuro aprendendo algumas "abobrinhas".
 
Creative Commons License
This work by Carlos Alberto P. Araújo is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Brasil License.